jusbrasil.com.br
15 de Outubro de 2019

Como ganhar muito dinheiro com uma holding?

Elas são máquinas de fazer dinheiro. Entenda como funciona e como criar uma holding!

ROGOWSKI JoãoFrancisco , Advogado
há 3 meses

Elas são talhadas para ganhar muito dinheiro, vocacionadas ao lucro, inúmeros são os benefícios financeiros e as vantagens estratégicas de uma holding company, figura muito conhecida no Direito Internacional Privado e uma das mais importantes ferramentas de planejamento societário, resultante da evolução dos Princípios Gerais da Atividade Econômica.

Vamos começar definindo o que é holding, e em seguida passaremos a explicar o que ela faz e como ela ganha dinheiro, e ganha muito.

Holding pura

Do idioma inglês o vocábulo holding tem diferentes definições dependendo do contexto onde é empregado, sendo as mais comuns no sentido de conservação; preservação; retenção; etc.

Holding company no sentido clássico é uma empresa controladora, a chamada holding pura que possui ações ou quotas sociais de outras empresas, podendo ser a sócia majoritária, a dona, proprietária, de outras empresas, que detêm o controle acionário, por isso, controladora.

A holding pura não produz bens nem presta serviços, seu único objetivo é a participação societária em empresas subsidiárias (controladas), para formar um grupo corporativo a fim de auferir, além dos lucros, também benefícios tributários, diminuição de riscos para os proprietários, viabilizando propriedade e controle de várias empresas diferentes, sem envolvimento direto com os riscos das operações do dia a dia das empresas controladas.

A holding pode ser nacional ou estrangeira e os riscos diminuem e as vantagens aumentam na medida em que ela esteja localizada num país de jurisdição offshore.

No meu livro sobre Blindagem Patrimonial de Ativo Lícitos eu dedico um capítulo inteiro sobre o que se costuma chamar de Empresas Offshore e cito exemplos como o da Apple, Microsoft e Google, esta última já economizou bilhões de dólares em impostos através das operações de sua holding offshore na Irlanda e ilhas Bermudas.

Holding mista

Com o passar do tempo a holding pura sofreu mutações em seu perfil societário, ensejando o surgimento da holding mista que abriga um amplo espectro de empresas com finalidades diversas.

Elas podem ser fornecedoras de uma grande variedade de serviços para suas empresas operacionais. Muitas vezes, funções como contabilidade, assessoria fiscal, auditoria, RH e TI são feitas pela empresa controladora que cobra das empresas operacionais um valor remuneratório pela prestação desses serviços.

Tendo essa retaguarda administrativa as empresas subsidiárias ficam livres de preocupações e podem canalizar mais energia e foco nas atividades-fim.

Outro importante serviço que as grandes holdings geralmente oferecem às suas subsidiárias operacionais é o de Banco.

Atualmente no Brasil com a legislação permissiva de funcionamento dos Mini-bancos, sem autorização do Banco Central, ficou ainda mais fácil para empresas controladoras de menor porte oferecerem tais serviços. (vide de minha autoria Mini-bancos’ alavancarão os pequenos negócios).

Esse apoio financeiro da empresa controladora é vital para a sobrevivência de subsidiárias que, por exemplo, atuam em nichos específicos como a industrialização e/ou comercialização de produtos para o natal, ou para o verão e etc., podendo em outras épocas do ano ficar sem receita para cobrir suas despesas e, portanto, a empresa holding emprestará o dinheiro à essa empresa operacional.

A holding mista se encaixa como uma luva às operações de franchising, resultando num casamento muito feliz e próspero.

Uma holding mista pode ser simultaneamente controladora, prestadora de serviços e operacional.

Pode ser, por exemplo, uma holding patrimonial unicamente proprietária de imóveis, como no caso de algumas variações de holdings familiares (no meu livro antes citado também tenho um capítulo sobre holdings familiares), ou uma holding patrimonial administradora como na oferta e gestão de locação de imóveis próprios e de terceiros aproveitando o know how e infraestrutura que possui.

Embora muito utilizadas na compra e administração de imóveis, as empresas holding estão aptas a investir em todo tipo de ativos, especialmente, patentes, marcas registradas, direitos autorais, ações, entre outros.

Portanto, é fácil concluir, que as holdings ganham muito dinheiro com a compra e (re) venda de ativos.

Nesse sentido se sobressaem as operações societárias de compra e venda de empresas, ou de frações delas, ou de parte do seu patrimônio.

Aqui também o leque é bem amplo, a holding pode comprar empresas lucrativas e mantê-las sempre gerando lucros, ou, pode comprar empresas de menor valor, expandi-las e vendê-las por valores bem mais altos.

Muito lucrativo também é o emprego da holding mista em processos de Turnaround, comprando empresas endividadas, e através da metodologia administrativa adequada de gestão do passivo, reorganização societária, novas técnicas de recuperação de empresas (vide de minha autoria AS NOVAS TÉCNICAS DE RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL DE EMPRESAS), dessa forma, dando a volta por cima, com a mudança estrutural do negócio para que ele possa atingir elevados patamares de mercado, sobretudo em momentos de crise financeira.

É importante realçar esse ponto, de que as chances de sucesso de saneamento financeiro, de reestruturação organizacional de empresas endividadas, são maximizadas em muito pelas modernas técnicas recuperação extrajudicial de empresas, gestão científica do passivo (vide meu Livro “Gestão Científica Do Passivo”).

Conclusão

O povo brasileiro sempre foi empreendedor por natureza, mas às vezes tenho a impressão que hoje em dia as pessoas estão desmotivadas, quiçá amedrontadas em se lançar no mundo dos negócios.

Temos que ter em mente que a nossa Constituição Federal nos assegura ampla liberdade de empreender economicamente, embora, não raro, o Estado e leis infraconstitucionais tentem afunilar esta garantia constitucional, mas a Magna Carta é soberana e sempre prevalecerá sobre o Estado, governos e leis inconstitucionais, e temos que lutar por nossos direitos, para isso estão aí as instâncias judiciais.

A Constituição da República disciplina a Ordem Econômica e Financeira nacional fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tendo por fim assegurar a todos existência digna conforme os ditames da justiça social, observados os princípios da propriedade privada; livre concorrência; redução das desigualdades regionais e sociais; busca do pleno emprego; entre outros.

Assim sendo, a holding vem ao encontro dos princípios assegurados pela Carta Republicana, amoldando-se muito bem e auxiliando sobremodo os processos de turnaround de recuperação de Empresas Endividadas, com rapidez e segurança jurídica, bem como, na compra de variados tipos de ativos lícitos para sua manutenção proveitosa ou revenda com elevados lucros.


Pode me enviar pergunta ou comentário, terei prazer em responder.


LIVROS PUBLICADOS;

ARTIGOS PUBLICADOS;

BIOGRAFIA CURTA DO AUTOR.





Tags:

Empresa, holding, Direito Empresarial, Ordem Econômica e Financeira, Princípios Gerais da Atividade Econômica, Recuperação de Empresas, Empresas Endividadas, falência, turnaround, Recuperação extrajudicial de Empresas, Recuperação judicial de Empresas, planejamento societário, planejamento tributário, Economia, Brasil, João-francisco Rogowski,

Hashtags:

#empresarial are #empresarial #o #empresa #a #os ... #direito #Brasil #bolsonaro #economia #consultoria #holding #OrdemEconômicaeFinanceira#PrincípiosGeraisdaAtividadeEconômica #DireitoEmpresarial #direito are #direito #o #oab #advocacia #advogado #advogada #direitocivil #direitocomercial #direitosocietário #direitofalimentar #seguro #MakeMoney #marketingdigital #rogowski

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)